Dr. Alexandre Mesquita - Clínica Odontológica | www.dralexandremesquita.comfacebook.com/dralexandremesquita


bebe no dentista

 

 

Olá, queridas Mamães! 

 

Meu nome é Alexandre Mesquita, Dentista especialista em Clínica Geral, e novo colunista do blog da Bebê de Grife.

Periodicamente, levarei as mamães um pouco dos meus conhecimentos para ajudá-las com a saúde da boca do seu bebê.

 Neste primeiro artigo, vamos falar sobre os cuidados básicos com a saúde bucal e dos primeiros dentinhos do seu bebê. Fiquem à vontade para mandar perguntas, pois responderemos com o maior prazer.

 


Preciso higienizar a boca do bebê antes do nascimento dos primeiros dentinhos?

A maioria das Mamães pensam que a higiene da boca do bebê só precisa ser feita depois que nascem os primeiros dentinhos, mas NÃO: o recém-nascido já deve, desde cedo, a se acostumar a ter sua boca limpinha. 

A limpeza precoce deve ser feita com uma compressa de gaze ou ponta de fralda umedecida em água fervida e/ou filtrada, envolvida no dedo indicador. Com leveza, deve-se limpar e massagear a gengiva. Não esquecer a língua e os cantinhos da boca, onde o leite pode ficar parado. 


A higienização pode ser feita somente uma vez ao dia. Dessa forma estabelece-se uma microbiota saudável, ajudando o nascimento dos futuros dentinhos em um ambiente limpo, sem resíduos alimentares, além de motivar o bebê, desde cedo, a ter bons hábitos de higiene. Quanto mais cedo for a manipulação da boca do bebê, mais receptivo este será, futuramente, em relação aos cuidados com sua saúde bucal. 

Você deve estar se perguntado o porquê de higienizar somente uma vez ao dia. Os estudos científicos mais recentes mostraram que o principal agente que causa a cárie (Streptococcus mutans) não é detectado em bebês antes da erupção dos dentes decíduos. Outro fator, também relatado nos estudos, é que nessa fase, o bebê está criando as suas células de defesa (micobiota) e ao passar a gaze toda vez que ele se alimenta, remove-se parte dessas células, prejudicando, no futuro, a sua defesa natural.

 


Devo escovar os dentes do bebê logo quando eles começam a surgir?

No início, muitas mães acham mais fácil limpar os dentes do bebê com gaze ou com um paninho enrolado no dedo. 

 

Uma dedeira, vendida em farmácias e lojas especializadas, também pode ser uma boa opção, desde que você faça uma boa higiene na peça (ela deve ser esterilizada com a mesma frequência que chupetas e mamadeiras, por exemplo).

 

Existem também lencinhos especias para essa limpeza, mas eles são dispensáveis. 

 

Faça a transição para a escova de dentes quando os primeiros dentinhos surgirem. A primeira escova deve ter cerdas macias e uma cabeça pequena, que permita alcançar facilmente todas as partes da boca. Verifique na embalagem a idade recomendada para o uso. Veja outras orientações:

 

  • Escove os dentes do bebê duas vezes por dia, de manhã e logo antes da hora de dormir.
  • Use uma quantidade mínima de pasta com flúor (que apenas "suje" a escova de dentes; como referência pense em algo equivalente a meio grão de ervilha)
  • Faça movimentos de escovação suaves tanto nas paredes internas como nas externas dos dentinhos. Não se esqueça da língua, para não haver acúmulo de bactérias que causam mau hálito. Como a quantidade de creme dental é realmente bem pequena, não há necessidade de enxágue (porém, crie o hábito logo que o bebê conseguir cuspir).
  • Troque a escova assim que as cerdas começarem a se desgastar ou a entortar

 

Por enquanto, os dentes do bebê têm espaço suficiente entre si para você não precisar se preocupar com fio dental. A maior parte dos dentistas recomenda que o uso do fio comece a partir do momento em que os dentes passarem a encostar uns nos outros. 

 


Existe uma quantidade certa de flúor para bebês?

Segundo os especialistas, ao contrário do que se pregava no passado, uma pequena quantidade de flúor (0,25 mg por dia) é benéfica para o desenvolvimento dos dentes do bebê. O flúor ajuda a prevenir as cáries ao fortalecer o esmalte dos dentes, deixando-os mais resistentes aos ácidos e bactérias prejudiciais que circulam pela boca. 

 

Além do creme dental com flúor (sempre lembrando que é para colocar uma quantidade mínima na escova), a substância também está presente na água distribuída pela rede pública da maior parte do país. Água com flúor acrescentando é conhecida como fluoretada. 

 

Se você mora em uma cidade onde a água da torneira é fluoretada, seu bebê certamente não vai precisar de suplementos extras com flúor além da pasta de dente. A própria água usada na preparação de alimentos ou fórmula de leite já contém quantidades suficientes de flúor (o que não acontece com a água mineral). 

 

Observação: Bebês com menos de 6 meses que tomam leite materno não precisam de água, chá ou qualquer outra bebida, já que o leite contém todos os nutrientes e hidratação necessários para o bem-estar da criança.

 

Se na região em que você mora a água não for fluoretada, consulte um dentista para saber se seu filho precisa de algum suplemento de flúor. Em geral, os especialistas não recomendam suplementos de flúor para bebês com menos de 6 meses. 

 

Tenha em mente que, apesar de o flúor ser importante para uma boa dentição, excesso de flúor pode levar a uma condição conhecida como fluorose. 

 

A fluorose provoca o aparecimento de manchas brancas ou alteração de cor nos dentes permanentes do seu filho, que nem apareceram ainda. É por isso que é importante não exagerar na quantidade de pasta de dente na escova de qualquer criança que ainda não consiga enxaguar bem a boca com água e depois cuspir. 

 


Quando devo começar a levar meu bebê ao dentista?

Muitos profissionais recomendam que as visitas comecem assim que os primeiros dentinhos nascerem ou até o primeiro aniversário, o que quer que aconteça antes. Uma boa ideia é levar seu filho quando você tiver uma consulta com o dentista, pois assim ele já vai se habituando ao ambiente do consultório. 

 

Dependendo do nível de risco para cáries que seu filho tiver, o odontopediatra pode pedir que as consultas ocorram com maior ou menor frequência. Entre os fatores de risco para cáries estão histórico familiar e o fato de a mãe ter tido problemas de saúde bucal durante a gravidez. 

 


Há outras formas para eu cuidar melhor dos dentes do meu filho?

A principal causa das cáries não é a quantidade de açúcar na alimentação, mas sim a frequência com que ele é ingerido ao longo do dia, seja em comidas ou em bebidas. Assim sendo, concentre a ingestão de carboidratos (como pão, macarrão, bolacha), frutas e doces na hora da refeição, e não fique oferecendo mais lanchinhos pouco tempo depois. Siga também as seguintes orientações:

 

  • Evite oferecer refrigerantes e sucos adoçados, principalmente entre as refeições, na hora de dormir ou durante a noite. A cárie pode ocorrer se a criança passa muito tempo tomando mamadeira. Lembre-se também de que bebidas como sucos, chás e outros, na maioria das vezes vezes contêm outros tipos de açúcar, frutose ou glicose, que são tão prejudiciais aos dentes quanto a sacarose do açúcar comum.
  • Procure oferecer as bebidas em um copinho, inclusive água e leite, a partir dos 6 meses de idade.
  • Ofereça uma saudável e balanceada para seu filho.

 

 


Sobre nosso Parceiro


Dr. Alexandre Mesquita - CRO 71.319

Formado em Odontologia pela Universidade de Santo Amaro - SP (UNISA).

Especializado em clínica geral e membro do conselho regional de odontologia

 

Quer saber mais? Acesse >> http://www.dralexandremesquita.com